.

.

quarta-feira, 15 de junho de 2016

Sem Tite, presidente corintiano fica "p…" e rompe com CBF

Roberto de Andrade entrou assobiando na sala de imprensa do CT Joaquim Grava, seguido de perto pelo diretor de futebol Eduardo Ferreira e pelo coordenador Alessandro, no final da tarde desta quarta-feira. Talvez para disfarçar o seu nervosismo. Quando se sentou e começou a falar diante das câmeras de televisão, o presidente do Corinthians não conteve a revolta com a Confederação Brasileira de Futebol (CBF), que contratou o técnico Tite para suceder Dunga no comando da Seleção Brasileira. 
Foto: Rodrigo Coca/Agência Eleven / Gazeta Press
"Não sei nada de CBF e não quero saber. Estou p…, para ser bem exato, pela maneira como vieram tirar o Tite daqui", disse Roberto, que se antecipou ao técnico e à própria CBF ao anunciar o acerto. "Não recebi um telefonema do presidente da CBF (Marco Polo Del Nero). Esse é o respeito que a CBF tem pelos clubes. O Corinthians merecia um pouco mais de respeito. O Tite merece a Seleção Brasileira, por tudo o que é. Mas a Seleção não merece uma pessoa como o Tite. Eles não estão acostumados com alguém com ética. Agiram de maneira sorrateira", esbravejou.
Durante toda a entrevista coletiva que concedeu, Roberto de Andrade se enervou quando o assunto era Del Nero ou a CBF. Questionado se a sua indignação representava um rompimento entre o Corinthians e entidade, ele quase recuou. "Não sei se posso chamar de ruptura. Mas não estou satisfeito", reforçou, logo cedendo à irritação. "Podemos chamar de ruptura, sim."
Roberto de Andrade dizia até esta quarta-feira que não acreditava em uma saída de Tite para a Seleção Brasileira. O técnico havia estado na sede da CBF no Rio de Janeiro na noite anterior para ter uma longa conversa com Del Nero, no entanto, e voltou disposto a aceitar o convite com que sonhava desde 2014 (quando se dedicou aos estudos, na esperança de ocupar o lugar de Luiz Felipe Scolari). Nesta tarde, comandou treinamento no Corinthians e comunicou a sua decisão ao presidente do clube.
Segundo Roberto, a história contaria com o mesmo final se Del Nero tivesse contatado o Corinthians antes de abrir negociação com Tite, que levará consigo o auxiliar Cléber Xavier, o filho Matheus e o dirigente Edu Gaspar. "Agindo de outra forma, tudo aconteceria do mesmo jeito. Sabemos que todos têm o direito de querer o melhor para as suas vidas. Então, não seria diferente se falassem comigo. Mas, se querem o respeito do Corinthians e de qualquer outro clube, deveriam ter feito isso. Isso mostra como a CBF faz tudo sorrateiramente. É algo que não admito", bradou.
O mandatário corintiano ainda ressalvou que não tem receio de sofrer represálias em função do seu discurso inflamando. "Graças a Deus, não preciso da CBF para nada. Vão fazer o quê? Tirar o Corinthians da organização do futebol? Exijo respeito, que foi o que faltou. E bastante", apontou, destemido até em relação à arbitragem do Campeonato Brasileiro. "Não temo nada. Vão colocar juiz para apitar contra nós? Isso não existe. É brincadeira! Aí, teríamos que chegar lá e fazer uma revolução. Era só o que faltava."
A revolta de Roberto de Andrade só não respingou em Tite. O presidente reiterou que considera o gaúcho o maior técnico da história do Corinthians, embora sem tanta empolgação. "Só temos a agradecer a ele e a todos que vão acompanhá-lo na CBF", afirmou. Não está programada - ao menos por enquanto - uma festa de despedida para o novo técnico da Seleção Brasileira. A partir do jogo contra o Fluminense, nesta quinta-feira, em Brasília, o clube terá interinamente Fábio Carille como seu comandante.

Nenhum comentário:

Postar um comentário