.

.

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Patrocinadora do Palmeiras usa imagem do Papa sem autorização em propaganda, e Vaticano cogita ir à Justiça

Propaganda da Crefisa em jornal de São Paulo usa imagem do Papa Francisco (Foto: reprodução )
O Vaticano cogita ir à Justiça contra a Crefisa, patrocinadora do Palmeiras, por conta do uso não autorizado da imagem do Papa Francisco num anúncio publicitário da financeira. A informação é do canal ESPN Brasil.
Há duas semanas, o pontífice recebeu, das mãos de um dirigente palmeirense, uma camisa personalizada do Verdão. Fotos do evento foram usadas numa propaganda da Crefisa no jornal O Estado de S. Paulo, dias depois, com a frase "O Papa Francisco entrou para a Família Palmeiras e abençoou o manto. Avanti Palestra!"
– Isto é um uso não autorizado da imagem do Papa – disse Greg Burke, porta-voz do Vaticano, em entrevista à ESPN.
– A Santa Sé poderia tomar uma atitude legal – completou, lembrando ainda que a imagem "claramente é oposta à forma como o Papa pensa".
O Palmeiras avisou que não vai se pronunciar sobre o assunto. A assessoria de imprensa da Crefisa diz que a empresa não tomou conhecimento da reclamação do Vaticano e, portanto, não tem o que comentar. 
http://extra.globo.com

Sindicatos não querem “perder a boquinha”, diz Rodrigo Maia

Ao defender a reforma trabalhista diante da elite empresarial do País, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), fez fortes críticas aos sindicatos, que resistem às mudanças na legislação.
“Os sindicatos não querem perder a boquinha, aquilo que ganham sem nenhum esforço. Então, é legítimo que se mobilizem”, disse Maia durante a cerimônia do Prêmio Lide, durante o 16º Fórum Empresarial em Foz do Iguaçu (PR).
A afirmação do presidente foi feita no momento há uma forte tendência na Casa pela extinção do imposto sindical, principal fonte de recursos dos sindicatos.
Na manhã de hoje, Maia fez novas críticas aos sindicatos, desta vez ao falar sobre a depredação da entrada do prédio da Câmara durante a votação da urgência da reforma.
“Os sindicatos, com muita competência, pressionam, acuam e depredam o Congresso como fizeram na semana passada. A Polícia Civil, que deveria estar preocupada com a nossa segurança, vai ao Parlamento e quebra as entradas do Parlamento brasileiro. A gravidade de um ato como este é muito maior que pressionar parlamentares na Câmara dos Deputados”, disse.
Maia defendeu que o Congresso deve enfrentar essa agenda “tensa e difícil”. Segundo ele, o trabalho do Legislativo está fundamentado em dois eixos. O primeiro é a aprovação das reformas trabalhista e previdenciária na Câmara e no Senado até o meio do ano. O outro eixo é aprovar no segundo semestre avançar a reforma tributária no Congresso.
 http://www.istoedinheiro.com.br/

Parceria da Vale, Grupo Siderúrgico Argelino e Governo do Estado do Para Podem Inveabilizar Produção de Ferro Gusa e Aço em Açailândia -MA

Veja Parte da Nota Publicado Por Imprensa "CORREIO"
Informações obtidas com exclusividade pelo CORREIO junto a fontes seguras no Rio de Janeiro dão conta de que o grupo Argelino Cevital está a um passo de implantar sua siderúrgica em Marabá-PA, em razão de diferenças comerciais com a mineradora multinacional Vale.
A Vale se comprometeu em dar o suporte necessário à Cevital, inclusive doou sua área onde um dia pretendeu erguer a natimorta Aços Laminados do Pará (Alpa), mas isso não tem sido o bastante para as pretensões da Cevital, que quer aproveitar-se da abundância do melhor minério de ferro do mundo para, de cara, despejar no mercado anualmente 3,5 milhões de toneladas (Mt) de bobinas de aço, ferro-gusa, "biletts" e "blooms", e fazer de Marabá o maior fornecedor de trilhos para estrada de ferro da América Latina.
Ponte rodoferroviária de Marabá
O Governo do Pará, a Vale e a Cevital assinaram no dia 4 de março do ano passado para embasar o projeto de implementação da siderúrgica. Naquele dia, a Vale colocou à disposição da Cevital, além de cooperação técnica, todos os estudos e projetos elaborados até então, as licenças ambientais, a transferência do terreno de sua propriedade que seria destinado à Alpa e a cereja do bolo:
suprimento de minério de ferro e serviços logísticos para dar vida ao empreendimento.
A imprensa republicou à época textualmente uma fala do presidente da Vale, Murilo Ferreira, segundo quem a multinacional iria ceder tudo sem ônus à Cevital. "A mineradora está muito satisfeita em manter esse entendimento mútuo com o Governo do Estado e quer continuar a dar a sua contribuição para que esse grande empreendimento, importante para a região, se torne perene e reduza as disparidades sociais", teria dito Ferreira na ocasião.
XIS DA QUESTÃO
Inicialmente, a Cevital pensou - e até fez divulgar na imprensa - uma produção anual de aço de 2,7 Mt para a siderúrgica. Porém, os argelinos cresceram os olhos e querem mais de Carajás.
Matematicamente, para a Cevital produzir 2,7 Mt de aço conforme suas pretensões, a Vale teria de lhe repassar 4,5 Mt de minério de ferro por ano.
Até aí, tudo bem. A mineradora se comprometeu em "dar" o minério a custo de fábrica. Vale lembrar que as minas de ferro que iriam abastecer a Cevital são as de menor custo do mundo - as das serras Norte (Parauapebas-PA) e Leste (Curionópolis-PA) produzem a tonelada de minério por 13,20 dólares e em Serra Sul (Canaã dos Carajás) a produção é prevista para chegar a 7,70 dólares.
Só que a Cevital quer, agora, produzir 3,5 Mt de aço, para o que são necessárias 7 Mt de minério. É como se a mina de Serra Leste tivesse de trabalhar o ano inteiro para atender apenas a Cevital, que compraria o melhor produto do mundo, com 67% de hematita, pela liquidação de 13,20 dólares - enquanto nas demais relações comerciais a Vale vende o produto por 82,01 dólares (cotação da tonelada na terça-feira da última semana, 28 de março) e ainda ganha bônus de, no mínimo, 10 dólares em contratos futuros pelo excepcional teor da commodity do Sistema Norte.
Nota da Vale

Em nota, a Vale esclarece que "no Memorando de Entendimento assinado com a Cevital Groupe, em março de 2016, foi estabelecida uma cláusula padrão de confidencialidade, o que não permite aos envolvidos comentarem sobre valores contratuais de preços de minério e de transporte.
A Vale reitera, contudo, o seu esforço conjunto com o Governo do Pará e a Cevital para a atração de novos empreendimentos para Marabá e região, que fomentem a cadeia produtiva da mineração em condições competitivas. A Vale acredita que o empenho de todos os partícipes é fundamental para a plena realização desse importante empreendimento".
A Cevital também foi procurada, mas não enviou nota à Redação até o fechamento desta edição.
O QUE ESPERAR?
Novo presidente da Vale pode decidir rumos da siderúrgica
Segundo consta, o secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia, Adnan Demachki, está para furar a sola do sapato de tanto viajar ao Rio de Janeiro, para tentar sensibilizar os chefões da Vale, e a Brasília, para buscar ajuda junto a ministros no sentido de deliberar o que for necessário para que a siderúrgica não tarde muito menos falhe. Somam-se aos esforços de Demachki os suores de lideranças de Marabá, que não veem a hora de o primeiro baldrame da obra começar a ser erguido.
Durante a etapa da construção do empreendimento, a siderúrgica teria capacidade de absorver 50% dos atuais 40.000 desempregados de Marabá, que ganhou 10.000 apenas nos últimos três anos. Será?
No meio de tanto desejo e sonho, está o impasse. A Vale se diz disposta a doar toda a estrutura da sepultada Alpa a preço de banana. Não porque é boazinha, mas, sim, em razão de pressão da sociedade marabaense e do Governo do Estado, junto ao qual a mineradora pleiteia incentivos fiscais para continuar sendo a rainha do Pará, detentora de esmagadora fatia do Produto Interno Bruto (PIB) estadual e a toda-poderosa do mercado transoceânicos do minério de ferro, com o melhor produto do mundo.
Já a Cevital - que está se associando ao grupo sul-coreano Posco (nada mais, nada menos, o terceiro maior produtor de aço do globo) e, talvez, por este esteja sendo teleguiada - coloca suas cartas sobre a mesa e diz que só encara Marabá com o favorecimento de insumos e logística, entre os quais reduzir o frete do aço via Estrada de Ferro Carajás (EFC) oferecido pela Vale de 45 dólares para 5 - o custo normal seria de 55 dólares, ou seja, a Vale está disposta a quebrar o preço em 10 dólares.
Murilo Ferreira, por seu turno, alega que, se a Cevital quiser minério além do compromisso feito pela empresa, terá de comprar a preço de mercado, isto é, sete vezes a mais que o custo de fábrica, e aceitar o preço do frete. O grupo argelino justifica ser inviável.
Esse balaio de gatos, em que manda quem pode e obedece quem tem juízo, deve parar no colo do novo presidente da mineradora, o engenheiro de produção Fabio Schvartsman, eleito pelo Conselho de Administração da multinacional na segunda (27) e que vai tomar posse no final de maio. Schvartsman é quem deve decidir os rumos da negociação. Inclusive, estarão em sua canetada as concessões para a vinda (ou não) da siderúrgica.
Em julho, quando a Cevital detiver os estudos de viabilidade técnico-financeira do projeto, deve sair o veredicto de se e quando os argelinos vão construir o empreendimento. Até lá, muito disse-me-disse de bastidor vai rolar. E até lá, também, a população de Marabá vai continuar sonhando com uma grande obra que gere emprego e renda, mas vivendo o pesadelo das demissões mensais contabilizadas pelo drama estatístico da vida real.
(André Santos)
"Dilema está no porto", diz secretário de Estado
Em entrevista exclusiva ao Jornal CORREIO no início da noite desta segunda-feira, 3, o secretário de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia, Adnan Demachki, disse que a informação divulgada acima não procede porque, segundo ele, não há impasse nas negociações sobre o preço do minério e nem na logística para escoar a produção da Cevital. "Há muitos itens pelos quais lutamos, e esse é um dos que estamos tentando superar", reconheceu Adnan.
O titular da Sedeme, que atua como moderador nas negociações entre a Vale e a Cevital, diz em uma das reuniões do grupo de trabalho, a Vale se comprometeu a vender a preços competitivos 4,5 milhões de toneladas de minério de ferro e ambas as empresas assinaram um documento para garantir essa negociação.
Posteriormente, a Cevital contratou a engenharia da Posco, que elaborou um projeto básico a partir do que havia sido produzido pela Vale e fez adaptações. A Posco verificou que para ter certo equilíbrio, a Cevital precisaria ampliar seu leque de produtos e aumentar o consumo de minério, saindo de 4,5 milhões de toneladas para 5,7 milhões de toneladas. E é nesse aumento de 1,2 milhão de tonelada que há um impasse entre as duas empresas, segundo Adnan.
Demachki afirma que no assunto transporte pela Estrada de Ferro Carajás, as diferenças foram pacificadas entre Vale e  a empresa argelina, mas sem revelar o preço acordado. A proposta é a Cevital colocar novo comboio de vagões para atender sua demanda. "O problema está no porto. Lá em São Luís, a Vale faz carga e descarga, mas não tem capacidade para atender a empresa argelina, que teria de montar estrutura própria", explica.
Por conta disso, segundo Adnan, a Cevital está avaliando um Plano B, que demoraria bem mais do que escoar a produção pela Estrada de Ferro Carajás, que já está pronta. A ideia seria aguardar pela Fepasa (Ferrovia Paraense), que na matemática do secretário de Estado pode ser licitada no segundo semestre deste ano e teria previsão para ser inaugurada em três anos (num cenário bastante positivo).
A Fepasa ligaria o Porto de Vila do Conde, em Barcarena, a Santana do Araguaia, no sul do Pará, passando por Marabá. "A Cevital está pensando mais na ferrovia paraense. Talvez essa seja a solução, escoar sua produção pelo porto de Vila do Conde. Por isso, assinou compromisso para transportar 8 milhões de toneladas de carga".
Questionado sobre a previsão para aprovação, por parte do governo federal, da Zona de Processamento de Exportação (ZPE) em Marabá, o secretário Adnan diz crer que ela pode estar aprovada ainda este ano, sem dar data específica. A cada instante a gente supera obstáculos. Estamos há um ano e meio para criar um cenário para que essa siderúrgica possa acontecer e seja competitiva com as chinesas", disse o secretário, citando a Associação Comercial de Marabá como uma das instituições que estão envolvidas nas discussões", 
________________________________________________________________________________
  Matériaa Baixo desvinculada do "CORREIO"
 
Inviabilização de Produção de Ferro Gusa e Aço em Açailândia-MA

Segundo a matéria, o Grupo Argelino Irá Pagar entre 7,70 e 13,20 dólares por tonelada de Minério de Ferro, (custo de produção da Vale) sendo que as Siderúrgicas do Maranhão pagam entorno de 80 dólares por tonelada, outra pancada seria no setor de logística, pela proposta apresentada pela Vale ao Grupo Argelino a mesma pagaria cerca de 5 dólares por tonelada transportada pelos trilhos da vale até o porto de Itaqui em São Luís-MA, sendo que as Siderúrgicas Maranhenses (Açailândia) pagam em torno de 40 dólares por tonelada. 
desta forma fica impossível disputar no mercado visto o tamanho da diferença de preços e vantagens oferecidas a CIVETAL, essa empresa terá capacidade de produção de aço de 2,700 mil tonelada ano, comparada com a Aciaria Gusa Nordeste em Açailândia-MA, que tem capacidade de apenas 600 mil tonelas de aço ano.
O setor siderúrgico de Açailândia pelo que parece está prestes a sumir do mapa. 
O Governo do Estado do Maranhão terá que interceder pelo polo siderúrgico de Açailândia como o Governo do Estado do Pará Intercedeu pelo Polo Industrial de Marabá, sem essa participação governamental nas esferas estadual e municipal estará decretada a falência múltipla do setor siderúrgico de Açailândia. 
 
Escrito Por Ver. Jarlis Adelino      

domingo, 16 de abril de 2017

F. Melo esbanja sinceridade no intervalo: "Ponte comeu a gente. Agora temos que voltar e comer eles"

Volante do Verdão esbravejou na saída de campo após o primeiro ruim da equipe de Eduardo Baptista. Em casa, a Macaca aplicou 3 a 0 nos primeiros 45 minutos de jogo

Após Zé Roberto e Willian saírem de campo sem falar com a imprensa, o volante Felipe assumiu a liderança do time e falou sobre o primeiro tempo ruim da equipe, que levou 3 a 0 da Ponte Preta nos primeiros 45 minutos de jogo:
"Não tem desculpas, a gente tem que acordar. Entramos dormindo, e a Ponte comeu a gente. Agora temos que ir para o vestiário, tomar uma dura do técnico e voltar pra comer a Ponte", afirmou o camisa 30, para a TV Globo e Sportv.

 

Neymar diz não ter obrigação de parabenizar Santos e sonha com Flamengo

Atacante do Barcelona não faz qualquer publicação a respeito dos 105 anos do Peixe, na última sexta-feira. Craque volta a falar sobre desejo de jogar no Rubro-Negro: "Maracanã lotado, Libertadores..."

Pelé, Robinho, Diego... Vários ídolos do Santos deram os parabéns pelos 105 anos de fundação, comemorados na última sexta-feira. Mas os torcedores sentiram a falta de uma mensagem de Neymar. O atacante do Barcelona não fez qualquer publicação e explicou os motivos.
– Não tenho obrigação alguma de dar parabéns. Sou grato, agradeço tudo que fizeram por mim. Amo e amei jogar pelo Santos, toda minha família é santista, eu mesmo acabei virando santista, mas não sou obrigado a fazer tudo que quiserem – disse Neymar ao "Esporte Interativo". 
Relação de Neymar, agora no Barcelona, com a diretoria do Santos está estremecida (Foto: Getty Images)
A relação entre o jogador, família e o Peixe ficou estremecida após uma ação judicial. O presidente Modesto Roma acredita em irregularidades na negociação com o Barcelona em 2013.
– Tenho respeito e carinho enorme pelo Santos, minha família toda é santista, só que também tem o lado ruim. O Santos entrou na Justiça contra a gente por algo que não entendo até hoje. Disseram que só faltou eu fazer gol contra na partida diante do Barcelona (no Mundial de 2011). São detalhes que ninguém sabe e começam a me cobrar, então é complicado. Ninguém sabe dessas histórias, só o que vê por fora – completou.
Por fim, ao ser perguntado sobre o time que gostaria de jogar no retorno ao Brasil, o craque voltou a citar o Flamengo.
– Eu tenho muita vontade de jogar pelo Flamengo, Maracanã lotado, Libertadores... – concluiu.

Consórcio dos Municípios dos Corredores Multimodais do Maranhão conseguiu recentemente à liberação dos recursos do Fundo para o Desenvolvimento Regional

R$ 57 Milhões liberados para os 22 municípios do COMEFC

12/04/2017 às 13:01 em Política
COMEFC

O Consórcio dos Municípios dos Corredores Multimodais do Maranhão conseguiu recentemente à liberação dos recursos do Fundo para o Desenvolvimento Regional com Recursos da Desestatização (FRD), que há muitos anos estavam travados devido ás inúmeras burocracias impostas pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Social.
A presidente do COMEFC, prefeita Karla Batista, de Vila Nova dos Martírios e o diretor administrativo do consórcio, Dilton Carvalho, conduziram uma comitiva composta por vários prefeitos na sede do BNDS no Rio de Janeiro. A verba, que estava parada em uma conta, deverá ser rateada entre os 22 municípios e investidos em projetos de desenvolvimento regional e social em municípios situados na área de influência da mineradora Vale.
“É uma vitória para todos os municípios, agradeço aos prefeitos pela confiança em representa-los por meio do COMEFC e juntos proporcionarmos melhorar a qualidade da população do Maranhão”, disse Karla Batista.
Da reunião no Rio de Janeiro, com o BNDS, participaram os Prefeitos Adão Carneiro (São Francisco do Brejão); Fernando Teixeira (Cidelândia); Fufuca Dantas (Alto Alegre do Pindaré); Fernando Coelho (Bom Jesus das Selvas), Dr. Francisco (Bom Jardim); Sidney Pereira (Anajatuba), Didima Coêlho (Vitória do Mearim); Lúcio Flávio (Itinga Maranhão); Zé Gomes (Buritucupu), Fabricio Ribeiro representando Acailandia e Dilton Carvalho Diretor do COMEFC e Marilene Ramos Diretora Executiva do BNDES.
Sobre o COMEFC
O objetivo da constituição do Consórcio é estabelecer a relação direta entre os gestores públicos municipais, com os órgãos Federais, Estadual e a mineradora VALE. Ao longo de 3 anos, o Consórcio já acumula conquistas, à exemplo da construção de barragens, recuperação de estradas vicinais, construção e reforma de escolas, unidades básicas de saúde (UBS), poços artesianos, quadra poliesportivas, além da aquisição de kits de irrigação, ambulâncias, e outros veículos.
Outra Conquista
Em reunião realizada entre os representantes da Vale e do Consórcio dos Municípios dos Corredores Multimodais do Maranhão (COMEFC) ficou alinhado que os projetos sociais encaminhados por essas administrações municipais voltarão a ser analisados pela equipe da mineradora. Até então, a análise desses projetos estavam suspenso devido à falta de prestação de conta das gestões anteriores. O consórcio abrange 22 municípios que têm interferência da Vale.
A presidente do COMEFC, prefeita de Vila Nova dos Martírios, Karla Batista, defendeu a necessidade de juntamente com a Vale ser construída uma solução.
“Somos os representantes do povo, temos um desafio de continuar com esses projetos, não podemos ficar de braços cruzados o que proponho é encontrarmos um caminho em conjunto, mas dentro da nossa realidade para que possamos seguir com ideias propositivas e que impactem positivamente na vida das comunidades”, afirmou.
Participaram também da reunião, os prefeitos de Bom Jesus das Selvas, Fernando Coelho, de Açailândia, Juscelino Oliveira e Silva, de Santa Inês, Vianey Bringel, de Bom Jardim, Dr. Francisco Araújo, e o prefeito de Arari, Djalma Melo. Todos os gestores públicos colocaram para a equipe de Relações Institucionais da Vale, os desafios que enfrentam, principalmente, com relação à prestação de contas de projetos iniciados, uns já finalizados outros não.
“A falta de documentos e registros inviabiliza essa prestação”, enfatizou o prefeito Fernando Coelho de Bom Jesus das Selvas.
Outro posicionamento do grupo foi com relação ao limite de abrangência dos projetos, ressaltou Dilton Carvalho, diretor administrativo do COMEFC. Até então, somente as atividades nas áreas de saúde, educação e geração de emprego poderiam ser aprovadas. Após a reunião, a equipe da mineradora prometeu avaliar os projetos na área de infraestrutura. A equipe da Vale ressaltou a necessidade dos projetos deixarem um legado para a comunidade e transformarem para melhor a qualidade de vida das pessoas. Após escutar as necessidades de cada gestor ficara alinhado que:
• Maior flexibilidade na avaliação dos projetos;
• Abrir possibilidades para novos projetos serem analisados;
• Possibilidade dos investimentos financiarem projetos na área de infraestrutura;
• Atualizar o levantamento dos impactos da mineradora Vale em cada município e as questões mais emergenciais serem repassadas imediatamente a equipe da Vale para que tomem as devidas providências.
Do Blog do Gilberto Leda

quarta-feira, 12 de abril de 2017

Paulinho explica polêmica com atriz pornô na China e diz que não será deportado

Paulinho com a atriz pornô japonesa Tsukasa Aoi  (Foto: Reprodução)

com a atriz pornô japonesa Tsukasa Aoi
O volante Paulinho teve o nome envolvido em polêmica nesta quarta-feira: o jornal inglês "Mirror" publicou que o brasileiro poderia até ser deportado da China por ter gravado uma comercial de um site de apostas ao lado de uma atriz pornô - a punição aconteceria porque o jogo e a pornografia são proibidos no país. Após a repercussão do caso na imprensa internacional, a assessoria do ex-jogador do Corinthians enviou uma nota oficial afirmando que o atleta não sabia quem era a mulher nas gravações, que as imagens só poderiam ser divulgadas após sua autorização, que o contrato com a empresa das Filipinas será rescindido por causa da confusão com o seu nome e que não há chances de Paulinho ser deportado.
Segundo o "Mirror", o volante posou em casa para as fotos com a atriz pornô japonesa Tsukasa Aoi em comercial do site de apostas Letou. Como a pornografia e o jogo são proibidos na China, o diário afirmou que o brasileiro poderia até ser deportado por causa das imagens. Porém, Paulinho afirma que as imagens foram feitas em novembro do ano passado e que só poderiam ser usadas após aprovação prévia.
Atualmente com 28 anos, Paulinho está desde 2015 no Guangzhou Evergrande. Sob o comando de Luiz Felipe Scolari no time chinês, o volante foi duas vezes campeão nacional, venceu duas vezes a Supercopa da China e conquistou uma Liga dos Campeões da Ásia. A boa fase no clube rendeu novas convocações para a seleção brasileira depois da chegada de Tite ao comando.
Confira abaixo a íntegra do comunicado de Paulinho:
"Em virtude de notícia divulgada por um jornal da Inglaterra, dando conta de que Paulinho, volante do Guangzhou Evergrande e da seleção brasileira, pode ser punido e até mesmo deportado da China, a assessoria do jogador vem a público esclarecer a situação.
No ano passado, Paulinho assinou um contrato com a Letou, casa de apostas das Filipinas. Foi apenas uma diária, uma gravação, realizada em novembro, e a empresa teria um ano para utilizar a imagem do jogador em campanha publicitária, que passaria a ser veiculada apenas em seu site.
Em momento algum da gravação foi dito que a garota que aparece na foto a seu lado era uma atriz pornô. A equipe de produção informou apenas que se tratava de uma modelo. Além disso, consta em contrato que qualquer foto a ser utilizada e divulgada teria que passar pela aprovação de Paulinho e seu staff.
A campanha nem sequer começou a ser veiculada nas Filipinas e, pelo episódio de vazamento e desrespeito e descumprimento do contrato, o mesmo será rescindido. Vale ressaltar que em momento algum Paulinho cometeu qualquer ilegalidade e não há a possibilidade de o jogador ser deportado do país onde atua por conta disso."
Jornal inglês Jornal inglês

DC reconta a origem de Superman em HQ para reorganizar a cronologia



Depois da HQ que "apagou" os Novos 52 e uniu as duas versões do Superman, pré e pós-Novos 52, assim restabelecendo o Homem de Aço casado com Lois Lane que esteve nos quadrinhos entre os anos 1990 e 2000, agora a DC Comics usa a edição #977 de Action Comics para reorganizar a mitologia que vale.
Na HQ escrita por Dan Jurgens, Kal-El vai até a Fortaleza da Solidão para usar os cristais da memória de Krypton e relembrar seu passado. A primeira mudança é que Krypton volta a ser, como na Era de Prata dos Quadrinhos (a partir dos anos 1950), um planeta de "verdadeiro maravilhamento e altas realizações". A ideia de que Krypton era um lugar dedicado à ciência mas de emoções frias, estabelecida nos anos 1980 e resgatada nos Novos 52, parece ficar em segundo plano na nova ordem (embora figurantes apareçam usando as tiaras com cristais que John Byrne criou na reformulação após Crise nas Infinitas Terras em 1986).
Além de reafirmar que Kal-El nasceu em Krypton e foi mandado para a Terra num foguete quando era bebê, a edição mantém o consagrado: Martha e Jonathan Kent encontram a nave enquanto dirigiam e escondem o bebê como seu por um tempo. Clark cresce tendo Lana Lang e Pete Ross como melhores amigos, e Lex Luthor como rival na juventude. Clark já desenvolve poderes na adolescência, que Lana descobre. Já no Planeta Diário, nos dias atuais, todos sabem que Clark e Lois são casados e têm um filho, tendo Perry como padrinho. Isso apaga tudo o que foi estabelecido nos Novos 52 no núcleo do jornal, e, como esperado, a edição não sublinha nada de notável que tenha sobrado da cronologia do Superman dos Novos 52.
Agora o casal deve deixar a fazenda onde Clark e Lois viviam desde que retornaram às HQs, já que eles planejam se mudar para Metrópolis novamente.

Agora é a Vez do "Azeite" Você pode estar consumindo azeite fraudado! Mapa encontra irregularidades em 45 marcas

Brasília – O Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa) identificou irregularidades em 45 marcas de azeite entre 140 coletadas nos últimos dois anos. As amostras foram colhidas em 12 estados e no Distrito Federal, num total de 322.329 litros (dos quais 114.750 litros considerados conformes e 207.579 litros com problemas).
A equipe de fiscalização inspecionou 279 amostras de 214 lotes. Do total, 38,7% dos lotes tinham problemas e 79% das irregularidades eram relacionadas a baixa qualidade (produto ruim vendido como bom).
A fraude mais comum praticada por empresas envazadoras é a utilização de óleo vegetal com azeite lampante, que tem cheiro forte e acidez elevada, (extraído de azeitonas deterioradas ou fermentadas) e que não deve ser destinado à alimentação. No Paraná, foram identificadas empresas que vendiam produto como azeite de oliva, mas com composição de 85% de óleo de soja e 15% de lampante. As fraudadoras foram autuadas, multadas em até R$ 532 mil por irregularidade encontrada e os produtos foram apreendidos para descarte. As empresas também foram denunciadas ao Ministério Público. O próximo passo é a abertura de inquérito policial.
Entre as  marcas que apresentaram irregularidades estão a Astorga, Carrefour, Almeirim, Conde de Torres, entre outras. E entre as marcas que passaram nos testes, encontram-se Andorinha, Aro, Apolo, Borges, Belo Porto, Carrefour Discount e outras.
O azeite de oliva virgem pode ser classificado em três tipos: o extra virgem (acidez entre 0,8% e 2%), virgem (acidez menor que 0,8%), lampante (acidez maior que 2%). Os dois primeiros podem ser consumidos in natura, mantendo todos os aspectos benéficos ao organismo. O terceiro, tipo lampante, deve ser refinado para ser consumido, quando passa a ser classificado como azeite de oliva refinado. A análise é complexa, exige treinamento e equipamentos sofisticados. As análises também apontaram azeites desclassificados (que podem não ser considerados como azeite) e fora de tipo (não tem boa qualidade).
Os estados onde foram registradas mais irregularidades foram São Paulo, Paraná, Santa Catarina e o Distrito Federal, onde se concentram o maior número de empresas que envazam o produto. Os envazadores, que importam a granel, principalmente da Argentina, foram os que apresentaram maiores irregularidades.
Segundo o secretário de Defesa Agropecuária do Mapa, Luis Rangel, os resultados obtidos com a fiscalização do azeite de oliva demonstram a eficiência das ações de fiscalização, evitando que esses produtos cheguem à mesa do consumidor”. As análises são realizadas pelos Laboratórios Nacionais Agropecuários (LANAGRO) do Rio Grande do Sul e de Goiás.
O Mapa intensificou a fiscalização de azeite de oliva, desde a semana passada, coletando amostras direcionadas, junto às empresas que apresentaram irregularidades nos últimos dois anos. Os resultados de 2017 serão divulgados posteriormente. Apenas na primeira semana de abril de 2017, foram recolhidos 243 mil litros do produto com suspeita de fraude.
O Brasil é o terceiro maior importador de azeite de oliva do mundo, segundo dados do Comitê Oleícola Internacional (COI). Em 2016, importamos cerca de 50 milhões de toneladas do produto.
Dicas
Para o consumidor evitar ser enganado, a primeira coisa na qual deve prestar atenção é o preço: desconfie se estiver muito abaixo do padrão. Verificar no rótulo o local em que foi envazado, se no país de origem, por exemplo, pode dificultar fraude, como misturas. Além disso, especificações como o termo tempero em letras miúdas e, em destaque, azeite de oliva. Não se trata de azeite adicionado de especiarias, mas de tempero vendido como azeite de oliva. Qualquer adição ou mistura com outros óleos vegetais requer que o produto seja rotulado como “Óleo misto ou composto”, devendo o consumidor ser obrigatoriamente informado sobre os percentuais que compõem a mistura. Também é importante estar atento à data de validade e aos ingredientes contidos.

terça-feira, 11 de abril de 2017

Saiba tudo sobre o emagrecimento polêmico e perigoso de Leandro Hassum; opção natural ajuda a emagrecer com segurança


O Barça vai descobrir que o impossível existe


Dybala @@110417@@ 291x300 O Barça vai descobrir que o impossível existe
A gente aprendeu que o impossível não existe para o Barcelona, principalmente no Camp Nou.
Ficou difícil, porém, muito difícil, Messi, Neymar e Suárez chegarem às semifinais da Liga dos Campeões da Europa depois destes acachapantes 3 a 0 que a Juventus do eterno Buffon e do jovem Dybala lhes impôs em Turim.
O Barcelona desta temporada é um time ciclotímico, capaz de grandes feitos, como a virada sobre o PSG nas oitavas, e atuações quase bisonhas, como na noite italiana desta terça-feira.
O time continua tendo a bola aos seus pés durante a maior parte do tempo, algo em torno de dois terços na derrota de agora há pouco, mas joga esgarçado ao longo do campo, com um agrupamento no ataque e outro na defesa.
Nestes últimos tempos sob o comando de Luis Enrique, o Barça depende demais da inspiração do trio MSN para compensar o desequilíbrio de suas linhas .
A Juventus, jogando agrupada durante os 90 minutos, mereceu amplamente os 3 a 0, com dois gols do argentino Dybala no primeiro tempo e um de Chiellini no segundo.
E não foi só: Ter Stegen teve mais trabalho do que Buffon.
É verdade que o goleiraço da Juve foi um dos principais responsáveis pela vitória ao salvar, quando o placar ainda era de 1 a 0, um gol certo de Iniesta, que recebeu uma fantástica assistência de Messi e colocou a bola em seu canto esquerdo.
Milagrosamente, com um leve toque, Buffon mandou-a para escanteio. E, muito merecidamente, continuará sonhando com o título, que jamais conquistou, da Liga dos Campeões.
Eram 20 minutos do primeiro tempo. Outro seria o jogo se o Barcelona tivesse chegado ao empate. Um minuto depois, Dybala fez 2 a 0.
Sólido na defesa, lutador em todo o campo, veloz nos contra-ataques, o time da Juventus dificilmente cederá em Barcelona a vantagem que conquistou hoje em Turim, embora o lendário Buffon tenha dito há alguns dias a Jordi Quixano, do jornal espanhol El País:
- O Barça ganha ou perde por méritos ou deméritos próprios. É tão forte que cria seu destino como quiser.
Nem sempre.
O Barça vai descobrir em casa que o impossível existe.
Buffon @@110417@@ O Barça vai descobrir que o impossível existe
Buffon: defesa milagrosa lhe dá o direito de continuar sonhando com o título inédito

Mulher fica paraplégica após fazer agachamento com peso em Academia

Uma mulher de 31 anos ficou paraplégica após fazer exercício de agachamento com peso na academia. Victoria Griffiths carregava 130 kg (o dobro do seu peso ccorporal) quando escorregou e caiu para a frente. Suas costas estalaram e "dobraram ao meio". As informações são do jornal Daily Mail 
Ela fazia exercício de agachamento com peso na academia quando escorregou. A barra rolou sobre o pescoço da bombeiro, jogando-a para o chão, relembra Victoria  
A bombeiro passou por uma cirurgia de emergência de 4 horas, aonde foram inseridas barras de titânio em suas costas, e passou 11 dias internada sob cuidados intensivos 
Desde então, Victoria está paralisada da cintura para baixo. Ela sofreu ruptura em dois dos ossos das costas que danificou sua medula espinhal  
Ela e o marido Dave, de 35 anos, estavam juntando dinheiro para comprar uma casa. Agora, os dois tentam arrecadar fundos para adaptar a casa onde moram às necessidades de Victoria, que passou a se locomover com cadeira de rodas 
Os médicos duvidam que ela vai voltar a andar, mas Victoria tem esperanças de reverter o quadro.

— Eu sei que o pior caso é que eu possa estar em uma cadeira de rodas e não vou andar, mas tenho que aceitar isso da melhor maneira possível. Há uma pequena chance que, com fisioterapia intensa e trabalho duro, eu possa voltar a andar 

Deputado Levi Pontes será investigado por Comissão de Ética

A deputada Andrea Murad (PMDB) protocolou um requerimento de sua autoria junto à Mesa Diretora da Casa solicitando o encaminhamento de representação contra o parlamentar para a Comissão de Ética.

Foto: Reprodução
O deputado estadual Levi Pontes (PCdoB) será investigado pela Comissão de Ética da Assembleia Legislativa do Maranhão. A deputada Andrea Murad (PMDB) protocolou um requerimento de sua autoria junto à Mesa Diretora da Casa solicitando o encaminhamento de representação contra o parlamentar para a Comissão de Ética.
No documento, a deputada narra os fatos em que o Levi Pontes pretendia se apoderar de uma ação da Prefeitura de Chapadinha, com fins eleitoreiros, através da distribuição de peixes para famílias carentes do município.
Um áudio do deputado falando que possui “cota de peixe” e que iria destinar para outros municípios de sua base eleitoral, gerou grande repercussão.
O parlamentar chegou a se pronunciar, negando qualquer esquema eleitoral. Ele disse que o peixe foi comprado com recurso próprio do prefeito da cidade, Magno Bacelar. Porém, o próprio prefeito lhe desmentiu, afirmando que a compra foi feita com dinheiro público da prefeitura.

Imigrantes africanos são vendidos em mercados de escravos na Libia, diz agência da ONU

Africanos que tentam chegar à Europa estão sendo vendidos por seus pelos seus raptores em um "mercado de escravos" na Líbia, segundo a Organização Internacional para as Migrações (OIM), órgão da ONU.
As vítimas disseram à OIM que, depois de serem detidas por contrabandistas ou grupos de milícias, foram levadas para praças ou estacionamentos para serem vendidas.
Migrantes qualificados como pintores ou instaladores de pisos são procurados por preços mais elevados, diz o chefe da OIM na Líbia à BBC.
A Líbia está em estado de caos desde a expulsão do ex-líder Muammar Khadafi em 2011.
Centenas de jovens africanos subsaarianos foram encontrados nos chamados mercados de escravos, segundo o relatório da OIM.
Um migrante senegalês, que não terá seu nome divulgado para proteger sua identidade, disse que havia sido vendido em um desses mercados na cidade libía de Sabha antes mesmo de ser levado a uma prisão improvisada onde mais de 100 imigrantes estavam sendo mantidos como reféns.
Mulheres também foram compradas por clientes da Líbia e levadas para casas onde foram forçadas a ser escravas sexuais, disse a testemunha.
Direito de imagem AFP

Risco

O chefe de missão da OIM para a Líbia, Othman Belbeisi, disse à BBC que os preços dos escravos eram determinados de acordo com suas qualificações.
"Aparentemente, eles não têm dinheiro e suas famílias não podem pagar o resgate, então eles estão sendo vendidos para obter pelo menos um benefício mínimo com isso", disse ele.
"O preço é definitivamente diferente dependendo de suas qualificações. Por exemplo, se você faz pinturas, troca telhas ou algum trabalho especializado, o preço aumenta."
Um membro da equipe da OIM no Níger confirmou os relatos de leilões na Líbia com depoimentos de outros migrantes que escaparam.
"Todos eles confirmaram o risco de serem vendidos como escravos em praças ou garagens em Sabha, seja por seus motoristas ou moradores que recrutam os migrantes para trabalhos diários na cidade, muitas vezes na construção civil."
"Mais tarde, em vez de pagá-los, [os raptores] vendem suas vítimas a novos compradores."
Alguns imigrantes, principalmente nigerianos, ganenses e gambianos são obrigados a trabalhar "como guardas nas casas de resgate ou no próprio mercado", acrescentou o funcionário da OIM.
A organização chamou o surgimento desses mercados de "uma nova e preocupante tendência na já grave situação dos migrantes na Líbia".
Em fevereiro, a Unicef divulgou um relatório documentando em detalhes histórias de escravidão, violência e abuso sexual ocorridas com muitas crianças que viajaram da Líbia para a Itália.
De acordo com o documento, aproximadamente 26 mil crianças - a maioria delas desacompanhadas - cruzou o Mediterrâneo em 2016, e muitas sofreram abusos nas mãos de traficantes.
Milhares de migrantes do norte da África chegaram à Itália no ano passado pelo mar. Mas antes de embarcarem, na Líbia, muitos passam por uma jornada perigosa de até seis dias no deserto do Saara.

Senado aprova criação de documento que unifica registros de brasileiros

O Senado aprovou nesta terça-feira (11) projeto que cria a Identificação Civil Nacional (ICN), sistema que prevê um documento único para os dados biométricos e civis dos cidadãos brasileiros.
Como a proposta já foi aprovada pela Câmara dos Deputados, seguirá para sanção do presidente Michel Temer.
Pelo projeto aprovado, a base de dados da Identificação Civil Nacional será armazenada e gerida pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).
A proposta também cria o Documento de Identificação Nacional (DIN), que conterá, além de dados biométricos, a foto do cidadão e os números do Cadastro de Pessoa Física (CPF) e da própria ICN. O documento não vai incluir e nem substitui a Carteira Nacional de Habilitação (CNH).
Pela proposta, o DIN servirá como prova de todos os dados incluídos nele e, ao apresentar o documento, o cidadão não precisará apresentar os demais registros. O DIN, que terá validade em todo o território nacional, poderá substituir o título de eleitor.

Modelo

O projeto aprovado não prevê um modelo de como será o novo documento. De acordo com a assessoria do senador Antonio Anastasia (PSDB-MG), relator do texto, a proposta prevê a criação de um comitê com integrantes do Executivo, Legislativo, Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e TSE para a elaboração do modelo do DIN.
Esse comitê, segundo a proposta, terá a competência de “estabelecer as diretrizes gerais dos padrões de informações biométricas e de formação do número da ICN”.
A proposta também institui um Fundo da Identificação Civil Nacional com a finalidade de constituir fonte de recursos para o desenvolvimento e manutenção da ICN. Caberá ao comitê que será criado administrar esse fundo.

Outros pontos

Pelo projeto, o documento deverá ser emitido pelos institutos de identificação dos estados e do Distrito Federal, sob supervisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).
A proposta também estabelece:
- A primeira emissão será gratuita e a impressão caberá à Casa da Moeda;
- A base de dados do ICN será gerida pelo TSE, que garantirá o acesso às informações aos governos municipais, estatuais e federal (os bancos de dados dos governos regionais poderão ser integrados ao ICN);
- O TSE deverá definir a integração dos registros biométricos do banco de dados pelas polícias Federal e Civil;
- O governo deverá oferecer mecanismos que permitam o cruzamento de informações, com a finalidade de comprovar os requisitos para participação de cidadãos em programas sociais;
- A comercialização, total ou parcial, da base de dados ficará proibida, com previsão de penas de dois a quatro anos de prisão, mais multa, para quem descumprir a regra.

Reforma trabalhista vai cortar pagamento de tempo gasto em transporte da empresa

Pela legislação vigente, o tempo que o empregado gasta em transporte fornecido pela empresa, de ida e retorno, até o local da prestação dos serviços de difícil acesso e não servido por transporte público regular, deve ser computado na jornada de trabalho. Com isso, se o tempo de percurso mais as horas efetivamente trabalhadas excederem a jornada normal, o excesso deve ser remunerado como hora extra. "Vai acabar com esse pagamento para geral. A responsabilidade do transporte é do poder público", afirmou o relator ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado.

Caso haja transporte regular em parte do trajeto, entendimento do Tribunal Superior do Trabalho (TST) é de que pagamento dessas horas se limita ao percurso não servido por transporte público. Além disso, se por motivos de logística da empresa, o empregado ficar sujeito a esperar o transporte fornecido pela empresa, o tempo de espera também será computado na jornada de trabalho e também deve ser pago pela empresa, caso as horas ultrapassem a jornada normal.

Como mostrou o Broadcast na segunda-feira, 10, o parecer de Marinho também deve contemplar pelo menos duas salvaguardas ao trabalho terceirizado que não constavam do projeto aprovado pela Câmara e sancionado pelo presidente Michel Temer. Uma delas será restringir que empresas demitam seus funcionários e os recontratem na sequência como terceirizados. A proibição valerá por 18 meses. A outra deve garantir aos terceirizados os mesmos serviços de alimentação, transporte, segurança e atendimento médico dos contratados diretamente.

O parecer deve ainda trazer expressos quais os casos em que o negociado entre patrões e empregados poderá prevalecer sobre o que está escrito na legislação. Segundo ele, entre os pontos que poderão ser negociados está a jornada de trabalho, a redução do salário, o parcelamento de férias e banco de horas. Já entre os pontos em que não será possível negociação estão o Fundo de Garantia, a integralidade do pagamento do salário mínimo, o 13º salário e férias proporcionais.

De acordo com o relator, seu relatório vai mexer em mais de cem artigos da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT). "Vamos revogar 18 pontos e alterar mais de 90 pontos", afirmou. Entre os pontos que serão revogados, estão uma série de artigos que tratam dos direitos das mulheres. Um deles será o que prevê que mulheres só podem entrar com ações judiciais com a autorização do ministro. "Tem algumas regras anacrônicas que vamos retirar", disse.
Relator da reforma trabalhista na Câmara, o deputado Rogério Marinho (PSDB-RN) vai propor em seu parecer o fim da obrigatoriedade do pagamento pelas empresas das chamadas horas "in itinere", ou seja, pelas horas extras em que o trabalhador gasta em transporte fornecido pelo empregador até o local de trabalho. O relatório deve ser lido pelo tucano na manhã desta quarta-feira (12), a partir das 10 horas, na comissão especial que analisa a reforma na Casa.

Estados e municípios recebem R$ 100 milhões para compra de remédios básicos

Remédios são adquiridos com contrapartida financeira estadual e municipalEsses medicamentos são usados no tratamento das doenças mais prevalentes da Atenção Básica do Sistema Único de Saúde (SUS).
Remédios são adquiridos com contrapartida financeira estadual e municipal
O orçamento para compra de remédios do Componente Básico da Assistência Farmacêutica nos estados e municípios será reforçado em R$ 100 milhões pelo Ministério da Saúde. Esses medicamentos são usados no tratamento das doenças mais prevalentes e prioritárias da Atenção Básica do Sistema Único de Saúde (SUS).
Os remédios são adquiridos com contrapartida financeira estadual e municipal. Com o incremento de recursos, o valor enviado mensalmente para a compra passará de R$ 5,10 por habitante para R$ 5,58.
O acréscimo foi possível após definição da Comissão Intergestores Tripartite (CIT) sobre o fim do financiamento do Ministério da Saúde para as 393 unidades próprias do programa Farmácia Popular a partir de maio deste ano. Os recursos que seriam dispendidos com a Farmácia Popular foram realocados para a Atenção Básica. 
O custo administrativo para a manutenção das farmácias da rede própria chegava a 80% do orçamento do programa, que é de quase R$ 100 milhões por ano, e apenas cerca de R$ 18 milhões, de fato, estavam sendo utilizados na compra e distribuição de medicamentos. E este valor também será enviado para as prefeituras dos municípios nos quais as farmácias funcionavam.
De acordo com o Ministério da Saúde, a população não ficará desassistida, uma vez que os pacientes continuarão a receber os medicamentos necessários pela atenção básica dos municípios.
Aqui Tem Famárcia Popular
O programa Aqui tem Farmácia Popular, parceria do Ministério da Saúde com farmácias privadas, continua funcionando normalmente. Desde a criação do programa, mais de 43 milhões de brasileiros já foram atendidos, o equivalente a cerca de 20% da população do País.
O Ministério da Saúde vai reabrir o cadastramento para novas farmácias privadas ao programa para incentivar o maior acesso da população a estes fármacos.
A iniciativa está presente em 80% do País, contando com 34.583 farmácias cadastradas em 4.487 municípios – cerca de 50% das existentes. Ao todo, são disponibilizados 25 produtos, sendo que 14 deles gratuitos e o restante com descontos que chegam a 90%.
Em média, por mês, o Programa beneficia em torno de 9,8 milhões de pessoas, principalmente aquelas com 60 anos ou mais, que chegam a quase cinco milhões. A maior parte dos pacientes atendidos (9 milhões) acessa medicamentos de forma gratuita e os mais dispensados são para tratamento de hipertensão (7,2 milhões), diabetes (3 milhões).

segunda-feira, 10 de abril de 2017

Justiça autoriza saída de 548 presos para passar a Páscoa em casa

Os apenados que tem direito a esse benefício sairão na quarta-feira (dia 12), às 10 h da manhã.

Os beneficiados devem retornar ao estabelecimento penal no qual cumpre pena até as 18h dia 18.
A 1ª Vara de Execuções Penais de São Luís editou uma portaria na qual autoriza a saída temporária de presos das unidades prisionais da Ilha de São Luís. De acordo com o documento, os apenados que tem direito a esse benefício sairão na quarta-feira (dia 12), às 10 h da manhã, devendo retornar ao estabelecimento penal no qual cumpre pena até as 18h dia 18. A portaria esclarece que os beneficiados não poderão se ausentar do Maranhão, bem como não frequentar festa, bares e similares.
Os presos estão proibidos, ainda, de portar arma ou ingerir bebidas alcoólicas, devendo retornar pra suas casas até as oito da noite. Os dirigentes das unidades prisionais deverão comunicar junto à 1ª Vara de Execuções Penais, até as 12h do dia 19, sobre o retorno dos internos e/ou eventuais alterações. A saída temporária de presos encontra respaldo na Lei 7.210/1984 (Lei de Execuções Penais).
Serão liberados para a saída de Páscoa 548 apenados. A unidade judicial cientificou a Secretaria de Estado de Segurança Pública, Secretaria de Estado de Administração Penitenciária, Superintendência da Polícia Federal, Superintendência de Polícia Rodoviária Federal, e diretorias dos estabelecimentos penais de São Luís, para operacionalização das medidas estabelecidas na portaria.
Saída Temporária – A Lei de Execuções Penais (LEP), de 11 de julho de 1984, trata do direito do reeducando (condenado e internado) nas penitenciárias brasileiras e da sua reintegração à sociedade. Sobre a saída temporária de apenados, ela cita no artigo 122: “Os condenados que cumprem pena em regime semiaberto poderão obter autorização para saída temporária do estabelecimento, sem vigilância direta, nos seguintes casos: Visita à família; Frequência a curso supletivo profissionalizante, bem como de instrução do 2º grau ou superior, na Comarca do Juízo da Execução; Participação em atividades que concorram para o retorno ao convívio social”.
Já o artigo 123 da mesma lei versa que “a autorização será concedida por ato motivado do juiz responsável pela execução penal, ouvidos o Ministério Público e a administração penitenciária e dependerá da satisfação dos seguintes requisitos: Comportamento adequado; Cumprimento mínimo de 1/6 (um sexto) da pena, se o condenado for primário, e 1/4 (um quarto), se reincidente; Compatibilidade do benefício com os objetivos da pena”.
Em parágrafo único, a LEP ressalta que ausência de vigilância direta não impede a utilização de equipamento de monitoração eletrônica pelo condenado, quando assim determinar o juiz da execução.

domingo, 9 de abril de 2017

Ministério deve habilitar processo de transexualização em três Estados

Apenas cinco hospitais em todo o Brasil são autorizados a fazer cirurgias de redesignação sexual. Os hospitais são ligados a universidades e ficam nos Estados do Rio de Janeiro, de São Paulo, Pernambuco, Goiás e do Rio Grande do Sul.
O Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) é uma das cinco unidades habilitadas pelo Ministério da Saúde para realização de cirurgia de redesignação sexual
O Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) é uma das cinco unidades habilitadas pelo Ministério da Saúde para realização de cirurgia de redesignação sexual
Foto: Agência Brasil
Além destes, mais quatro unidades podem dar início ao processo de transexualização que inclui a terapia hormonal e o acompanhamento multidisciplinar e já estão habilitados pelo Ministério da Saúde: o Hospital das Clínicas de Uberlândia (MG); Instituto Estadual de Diabetes e Endocrinologia do Rio de Janeiro; Centro de Referência e Treinamento DST/AIDS de São Paulo e o CRE Metropolitano, de Curitiba.
O Ministério da Saúde informou, em nota, que hospitais nos Estados do Espírito Santo, da Bahia e da Paraíba estão em fase de habilitação para oferecer o procedimento de transexualização, mas não mencionou se a cirurgia será oferecida.
No ambulatório do Hospital Universitário Professor Edgard Santos (Hupes), da Universidade Federal da Bahia (UFBA), por exemplo, o serviço aguarda a habilitação do Ministério da Saúde para funcionar, mas, segundo a assessoria de comunicação da unidade, os procedimentos cirúrgicos não estão entre os serviços a serem disponibilizados.
Procura
Embora exista grande procura pelo procedimento de mudança de sexo, as transformações estéticas começam pela terapia hormonal. O ginecologista do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) José Carlos de Lima destaca que boa parte das pessoas trans atendidas por ele começam esse processo por conta própria, sem orientação médica adequada.
O ginecologista José Carlos de Lima alerta para a necessidade de orientação médica adequada para início do processo de transexualização
O ginecologista José Carlos de Lima alerta para a necessidade de orientação médica adequada para início do processo de transexualização
Foto: Agência Brasil