.

.

sábado, 3 de dezembro de 2016

Santa Inês: Conselheira tutelar manda matar Conselheiro, mas ‘contratado’ decide procurar a polícia

Conselheira tutelar planejou a morte de um outro conselheiro, mas a pessoa contratada para executar o serviço decidiu procurar a polícia.
15218446_1232379386842228_166820978_n
Keilliane planejou o assassinato de Werberth; Ambos trabalham na Ruas Osvaldo Cruz, no bairro Nova Santa Inês, endereço do Conselho Tutelar.
A 7ª Delegacia Regional de Polícia de Santa Inês investiga a trama que visava matar um conselheiro tutelar daquela cidade. A suspeita de planejar a tentativa de assassinato é a também conselheira, Keilliane Silva de Queiroz.
De acordo com o Terno de Depoimento que o Blog do Domingos Costa teve acesso com exclusividade, a acusada contratou seu afilhado de batismo [J. S. O.] para tirar a vida de seu colega de trabalho, Werberth Silva dos Santos, ambos atuam na defesa dos direitos da criança e do adolescente santa-inesense.
No último dia 28 de outubro, o jovem de 18 anos teve a iniciativa de procurar a Polícia para informar que dois meses antes recebeu uma ligação de Keilliane pedindo para conversarem a sós.
“Quando cheguei no Conselho Tutelar, ela [a acusada] pediu que minha esposa saísse da sala, e foi quando me disse que havia um conselheiro de nome Weberth que estava tentando prejudicá-la, levantando falsas acusações contra ela, inclusive de furto”, disse J. S. O. em depoimento ao delegado  Ederson Martins Pereira.
Ainda segundo o documento, a Conselheira perguntou quanto seu afilhado cobraria para matar o conselheiro que estava lhe causando transtorno. Chegou, inclusive, a afirmar que conseguiria além do dinheiro, a arma para realizar o crime.
No Terno de Depoimento, o depoente conta também que Keilliane sabia o horário e o tipo de telefone celular que Werberth usava. E caso não aceitasse o serviço de pistolagem, que “arranjasse alguém para executar”.
J. S. O., com a esposa grávida e que estar em processo de reintegração social por conta de delitos passados, se negou realizar o assassinato. Além de recusar o “serviço”, o contratado procurou o conselheiro Werberth para informá-lo do risco de vida que estava correndo.
Em contato com o delegado que investiga o caso, Ederson Martins Pereira informou que o caso estar em investigação até no momento configurando ato preparatório de ameaça de morte. Afirmou também que conversou com o Promotor de Justiça e ouvimos outras testemunhas a respeito da situação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário