.

.

domingo, 9 de outubro de 2016

Pelas ruas o mendigo que já foi um dos melhores jogadores do Brasil

Marcelinho perambula pelas ruas de Santana
Após jogar em diversos times de futebol de renome, em sua maioria na posição de meia-atacante, Marcelinho Macapá, hoje com 35 anos, se tornou um andarilho desnorteado, uma figura que é constantemente vista pelas ruas do município de Santana (AP). Seu nome já alcançou o topo dos melhores jogadores pelos campeonatos nordestinos e cariocas no início do século XXI. 
Nascido em Aracaju (SE), o jovem Marcelo Santos Oliveira começou sua carreira pelo Vitória (ES) no ano de 2000, seguindo depois para o time baiano de Camaçarí (2002-2003), vindo posteriormente para o Catuense (2004), Confiança (2005-2006), o clube carioca do Vasco (2008), o rio-grandense América (2009), no Joinville (2010-2011), jogando suas últimas partidas pelo Chapecoense (2012-2013). 
Marcelinho jogou em mais de 10 clubes pelo país
No auge da fama, foi observado pelos grandes técnicos de futebol como uma referência que poderia representar o país na seleção brasileira, o que não chegou a ser concretizado. 
Ainda numa entrevista concedida para a imprensa carioca em 2009, o técnico Renato gaúcho descreveu Marcelinho como “veloz e habilidoso para as futuras gerações”. 
No entanto, o destino acabou pregando outros caminhos na vida desse jogador nordestino, que veio para o Estado do Amapá no final de 2014, com a promessa de continuidade em seu sucesso esportivo. Puro engano. 
Marcelinho hoje
De acordo com informações de ex-colegas de Marcelinho, a promessa não-cumprida por um empresário local (no ramo esportivo), que lhe garantiria um retorno ao futebol em 2015, fez com um dos melhores meia-atacantes do futebol brasileiro desacreditasse nesse esporte, se deixando também e envolver nas bebidas e nas drogas.
E ainda sem muitas oportunidades diante da crise que assola o país e aos poucos sendo esquecido pela mídia esportiva, o jogador nato – que receberia o pseudônimo de Marcelinho Macapá por apostar no futuro promissor que a capital amapaense lhe ofereceria – acabou se tornando um desconhecido ser humano que caminha diariamente pelas ruas e avenidas do segundo maior município do Amapá. 
Ajudas
Constantemente visto sentado ou andando pelas proximidades de órgãos públicos, as pessoas não imaginam o passado glorioso deste homem, sendo que exceções aparecem em locais visitados pelo ex-jogador. 
“Sempre vejo ele sentado numa calcada perto do hospital (estadual), pedindo ajuda para comer”, conta a estudante Ediane Monteiro, que ainda diz ter ajudado o ex-jogador. “Uma vez ele ficou me olhando lanchando com alguns colegas em frente a nossa escola, daí fomos lá e levamos um lanche pra ele”. 
Reservado com as poucas palavras que procura pronunciar, Marcelinho chega a dormir em calçadas e bancos de uma praça situada em frente ao Hospital Estadual de Santana, sendo considerado por que lhe ver como um mendigo que apenas perambula pelas vias públicas, buscando algo para vestir ou para comer. 
“Um dia lhe vi dormindo em frente ao prédio da biblioteca pública (municipal) e lhe dei um lanche como café da manhã. Não sabemos do nosso dia de amanhã”, disse o vendedor ambulante Joelson Ferreira, que trafega pelas ruas de Santana, e costuma ver o ex-jogador caminhando sem rumo pela cidade. “Não é fácil de encontrar ele parado em apenas um lugar, ele anda tanto que acaba sendo visto onde menos esperamos”. 
Seguindo orientações de diversos internautas, o blog conseguiu localiza-lo nas proximidades do Ginásio Poliesportivo de Santana, caminhando sem rumo algum. Há quem diga que ele dorme diariamente naquele local.

postado por: http://santanadoamapa.blogspot.com.br

Um comentário:

  1. Bom dia! Nao sei se essa historia é de fato veridica,se essa pessoa mencionada pelo site realmente é quem fala ser.
    Em 2009 e 2012 ele estava em fortaleza -ce e em 2014 ele estava em sobral ce mais a historia que ele conta sempre é a mesma, que veio para fortaleza com a promessa de jogar em um clube daqui e que foi enganado pelo empresario.

    ResponderExcluir