.

.

sábado, 4 de fevereiro de 2017

Hackers vazam e-mails comprometedores de David Beckham

Astro usaria trabalho social para se promover socialmente em busca de títulos
Astro usaria trabalho social para se promover socialmente em busca de títulos Foto: Facebook / Reprodução
Extra
Tamanho do texto A A A
O nome de David Beckham está envolvido numa polêmica. Uma série de e-mails escritos pelo ex-jogador do Real Madrid e do Manchester United, vazados na noite da última sexta-feira por hackers, dão conta de que o astro do futebol usou o seu trabalho de caridade como parte de uma campanha para arrematar um importante título inglês chamado de “Knighthood”, normalmente atribuído pela rainha do país a personalidades que se destacam em trabalhos artísticos ou em causas sociais.
Nos jornais europeus, as manchetes ressaltam a suposta obsessão do embaixador da Unicef — ele está à frente da organização da ONU desde 2005 — com a conquista da honraria inglesa. As mensagens privadas foram divulgadas pelo site Football Leaks, equivalente esportivo do WikiLeaks. Num dos e-mails, ele critica raivosamente a entrega de um importante título para a cantora Katherine Jenkins, ressaltando para um colega que a artista já havia sido usuária de cocaína: “Para quê ela recebeu o título? Para cantar em partidas de rugby e depois ver as tropas tomarem Coca-Cola? Que brincadeira de mer**!”, escreveu, numa das mensagens vazadas.
Ex-jogador é embaixador da Unicef desde 2005 Foto: Facebook / Reprodução
Ex-jogador é embaixador da Unicef desde 2005 


O site de investigação francês “Mediapart”, que publicou parte do material em primeira mão, alegou ainda que Beckham desajaria usar seu fundo pessoal para promover atividades de negócios. “As causas humanitárias foram apenas um trampolim para seus assuntos pessoais e para projetar sua imagem entre os anunciantes”, afirmou uma fonte próxima aos vazamentos, de acordo com o jornal inglês “Daily Mail”.
Numa das mensagens, Beckham deixa claro que utilizou 6.685 libras dos fundos humanitários, o equivalente a R$ 26 mil, para realizar um voo de classe executiva com destino a um evento na Ásia, embora seus patrocionadores tenham oferecido um jato particular. Em outra ocasião, ainda de acordo com os documentos, o ex-jogador teria se recusado, deliberadamente, a investir R$ 1 milhão de dólares num importante jantar da Unicef em Xangai, na China. “Não quero colocar meu dinheiro pessoal nesta causa”, escreveu, acrescentando: “Derramar este milhão no fundo seria como colocar meu próprio dinheiro lá dentro. Se não houvesse fundo, o dinheiro seria meu”.
Beckham teria sido aconselhado a não compartilhar fotos “ostentação” nas redes sociais Foto: Instagram / Reprodução
Beckham teria sido aconselhado a não compartilhar fotos “ostentação” nas redes sociaisBeckham rejeita todas as alegações
Na noite da própria sexta-feira, pouco depois de as informações serem divulgadas, porta-vozes de Beckham rejeitaram as alegações, afirmando que os e-mails haviam sido “cortados e corrigidos” de uma conta privada.
Ex-jogador se preocupava com imagem nas redes sociais
Outros e-mails mostram que dois conselheiros, colegas bem próximos de Beckham, impediram o astro inglês de publicar uma foto de um laptop banhado a ouro no Instagram, enfatizando que a fotografia seria contra a sua imagem de “homem do povo”. Segundo os documentos, Beckham estaria ansioso para compartilhar a foto com os seus seguidores. Ele teria, inclusive, sugerido a legenda que escreveria: “O primeiro computador assim no mundo todo. Presente maravilhoso”. Seu amigo teria respondido: “Muito bem, os idiotas vão dizer que estamos ostentando”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário