.

.

sexta-feira, 24 de março de 2017

R$ 9 milhões x R$ 690 mil: quartas da Copa do Nordeste opõem 'ricos' e 'pobres' em cada lado

Campinense superou o favoritismo do Sport e venceu nos pênaltis
Em 2016, Campinense superou o favoritismo do Sport na semifinal e venceu nos pênaltis
As quartas de final da Copa do Nordeste começam na próxima semana, e os confrontos prometem ser bastante equilibrados, pelo menos dentro de campo. Bahia x Sergipe, Vitória x River-PI, Sport x Campinense e Santa Cruz x Itabaiana-SE decidirão quem serão os quatro melhores da competição, que podem ditar uma tendência bem comum no torneio: a disparidade de folhas salariais. De um lado, são R$ 9,65 milhões de orçamento mensal com os times; do outro, modestos R$ 690 mil. Significa que, por exemplo, os salários de Diego Souza, Cleiton Xavier e Renato Cajá, somados, poderiam pagar a folha de quatro quadrifinalistas do Nordestão, com sobras.
Bahia (R$ 3 milhões) x Sergipe (R$ 150 mil)
O Bahia possui duas vantagens consideráveis para o confronto. A primeira é a manutenção da espinha dorsal do time desde o ano passado, e que chegou a um padrão tático próximo do ideal na visão de seu treinador, Guto Ferreira. Os zagueiros Tiago e Jackson, o volante Juninho, o meia Régis e o atacante Hernane são os pilares do tricolor desde a Série B de 2016. A segunda é o retrospecto como mandante: o Bahia acumula, desde que Guto foi contratado em junho passado, apenas uma derrota. Decidirá na Fonte Nova seu futuro na Copa do Nordeste. O tricolor terminou a primeira fase com a melhor campanha e foi a primeira equipe a não sofrer gol nos seis primeiros jogos do torneio.
O Sergipe fez uma campanha equilibrada na primeira fase, perdendo a liderança do Grupo E apenas na última rodada, diante do Vitória. No entanto, não conseguiu se impor diante dos grandes do Nordeste - perdeu as duas partidas para rubro-negro baiano, além de ter sido derrotado pelo Bahia na Copa do Brasil. Tem no atacante Hiago a sua principal arma, já que o atacante marcou cinco gols e é o artilheiro do Nordestão.
Felipe Oliveira/EC Bahia
Bahia e Sergipe se enfrentaram pela Copa do Brasil em 2017
Bahia e Sergipe se enfrentaram pela Copa do Brasil em 2017; tricolor levou vantagem
Vitória (R$ 3 milhões) x River-PI (R$ 150 mil)
Dos clubes do Nordeste, o Vitória foi o que mais investiu em jogadores na atual temporada. Saltou a folha de R$ 2,3 para R$ 3 milhões em 2017, contratando atletas como o zagueiro Fred, os meias Dátolo e Cleiton Xavier, e o atacante André Lima. Com Argel Fucks no comando, é o time com segundo melhor aproveitamento de pontos entre os clubes que disputarão a Série A. Apesar do desempenho muitas vezes contestável, mostra força para bater seus adversários nas três competições que tem disputado até agora.
Já o River-PI foi o time mais ousado da primeira fase. Num grupo onde os favoritos eram Sport e Sampaio Corrêa, conseguiu brigar pela liderança da chave até a última rodada. Fora de casa, acumulou dois triunfos e um empate na Ilha do Retiro. O atacante Viola, com quatro gols, é o destaque do time piauiense. O outro trunfo do River é o estádio Lindolfo Monteiro, que tem gramado muito irregular e dificulta o toque de bola de equipes mais técnicas.
Sport (R$ 3 milhões) x Campinense-PB (R$ 270 mil)
Sob o comando do técnico Daniel Paulista, o Sport ainda não engrenou. Vivendo de atuações inconstantes, sofre com a descontinuidade da equipe titular e a falta de rivais de boas referências técnicas dentro do Campeonato Pernambucano, com exceção de Santa e Náutico. Apesar disso, tem valores individuais que desequilibram jogos, a exemplo do meia Diego Souza, convocado por Tite para os últimos jogos nas Eliminatórias. Na Copa do Nordeste, quem tem feito a diferença é o rápido atacante Rogério.
O Campinense é um dos times mais perigosos da competição. Não à toa, foi campeão em 2013 eliminando o Sport nas quartas, e chegou à decisão em 2016 passando pelo Leão da Ilha na semifinal. Vice-líder do Grupo A, perdeu a primeira posição na última rodada, quando foi derrotado pelo Santa Cruz. O time paraibano chega à segunda fase sem o técnico Sérgio China que, apesar de ter classificado a Raposa, foi demitido na semana passada.
Santa Cruz (R$ 650 mil) x Itabaiana-SE (R$ 120 mil)
Com o rebaixamento à Série B do Brasileiro, a diretoria do Santa Cruz resolveu reduzir a folha salarial e fazer investimentos mais modestos. Atual campeão do Nordeste, o time pernambucano conseguiu ser o melhor do Grupo A, que tinha também o eliminado Náutico. O técnico Vinícius Eutrópio prega o discurso de que a equipe ainda está em formação, e por isso ainda não encontrou a formação ideal para a temporada. O destaque do time é o goleiro Júlio César, líder de uma defesa que sofreu apenas dois gols na competição.
O Itabaiana, que terminou como líder do Grupo D, deu azar ao ser o último dos primeiros colocados e decidirá a vaga nas quartas fora de casa. Com um equilíbrio refletido nos números (seis gols marcados e seis sofridos), o time sergipano tem no conjunto a sua maior virtude. A dupla formada pelo meia Igor Alves e o atacante Diego Neves é responsável por 66% dos gols do Itabaiana na Copa do Nordeste - cada um marcou dois gols.

Nenhum comentário:

Postar um comentário