.

.

terça-feira, 7 de março de 2017

Henrique Meirelles diz que Previdência no Brasil é 'muito generosa'

Ministro da Fazenda comparou dados da aposentadoria no Brasil com os de outros países e defendeu a reforma da Previdência; proposta foi enviada pelo governo ao Congresso.

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou nesta terça-feira (7) que a Previdência Social no Brasil é "muito generosa". Em apresentação a deputados do PMDB, ele defendeu a aprovação da proposta de reforma da Previdência enviada pelo governo Michel Temer ao Congresso Nacional.
Em audiência na Câmara, o ministro relatou uma conversa que teve com um amigo do meio político. "Ele falou: 'mas a Previdência brasileira é uma das mais generosas do mundo, e começou a me demonstrar isso'. Eu falei: 'o senhor tem toda a razão, é verdade, é muito generosa'", contou Meirelles.
Na mesma conversa, disse ter feito uma ponderação. "Só temos um problema. Quem paga? Estamos chegando num momento em que o orçamento público já começa a não dar mais conta disso", disse.
Para sustentar o argumento e defender a aprovação da reforma da Previdência, Meirelles comparou dados das aposentadorias no Brasil aos de outros países. Segundo ele, os brasileiros se aposentam mais cedo do que em muitas nações.
O ministro também afirmou que os brasileiros ganham mais quando é calculada a proporção entre o valor da aposentadoria e o valor que a pessoa recebia de salário antes de se aposentar.
“No Brasil, é um valor sensivelmente superior à maior parte dos países do mundo. Maior que a média da União Europeia, que é um continente generoso”, explicou.
“Estamos vivendo um momento decisivo. Aprovar a reforma da Previdência não é questão de vontade. Evidentemente, seria desejo de todos nós fazer a Previdência mais generosa possível sempre”, ressaltou.
O ministro explicou que uma das maneiras de se aumentar a arrecadação é com aumento de impostos, mas ponderou que o Brasil está chegando ao limite desse tipo de decisão.
“Pode sempre falar: aumento de imposto é sempre uma solução, (...) só que nós já temos hoje um momento em que isso está caminhando para um limite, inclusive para a economia poder crescer e gerar emprego”, concluiu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário