.

.

sábado, 14 de março de 2015

Crise no Setor Siderúrgico Parece Inevitável SIFEMA e STIMA Não Chegam em Acordo Salarial Para os Trabalhadores é o Impasse Continua...

A Crise no Setor Siderúrgico em Açailândia-MA parece inevitável, a Siderúrgica GUSA NORDESTE será a primeira Empresa do setor a reduzir seu ritmo produtivo, com grande estoque de ferro gusa no pátio a empresa desligará um dos dois fornos ativos e irar conceder férias coletivas para 100% dos funcionários divididos em dois meses consecutivos em 01 de Abril 50% e em Maio do corrente ano mais 50% dos trabalhadores sairão de ferias, na tentativa de manter os empregos dos Trabalhadores. Esse cenário preocupa e prejudica as negociações salariais 2015.
A data-base de negociação salarial dos sindicatos é 01 de março, com o repasse em 01 de abril, mas até o momento continua o impasse salarial entre os sindicatos. O Sindicato dos Trabalhadores defende a manutenção salarial é pede um reajuste de 13% é a permanência da escala atual da jornada de trabalho de 08 horas diárias na escala interrupta de produção, esse índice foi apresentado ao SIFEMA em dezembro de 2014 dentro do prazo para negociação, mas a crise vem prejudicando as negociações salariais de 2015 desde janeiro quando o cenário mudou.
SIFEMA continua com a proposta da volta da escala de trabalho em turno interrupto de 06 horas diárias e o congelamento salarial 2015. 
O STIMA realizou uma frente de trabalho em defesa do trabalhador visitando recentemente todas as turmas nas siderúrgicas dialogando diretamente com os trabalhadores é coletou um baixo assinado onde os trabalhadores afirmam que não aceitarão a volta da escala de trabalho de 06 horas diárias, já que o prejuízo fica em torno de 35% do salário bruto do trabalhador, os trabalhadores abriram margens de negociação com o Sindicato Patronal. por outro lado o SIFEMA alega impossibilidade financeira para reajustamento salarial nesse momento, segundo o Sindicato Patronal a produção de ferro gusa está mais caro que a comercialização do produto. Na ultima quinta-feira 12, o Presidente do STIMA Jarlis Adelino participou de uma reunião com o Presidente do SIFEMA Cláudio Azevedo para tratar do caso, uma outra reunião foi marcada para Açailândia na próxima semana entre os sindicatos.
Estamos confiantes nos trabalhos que a diretoria do STIMA vem realizando sobre a crise no setor siderúrgico, recentemente coletamos um baixo assinado com as revindicações da categoria para o setor é já oficializamos o sindicato patronal, protocolamos um documento na Assembléia Legislativa do Estado, Notificamos a Secretaria de Indústria e Comercio do Estado, é solicitamos uma audiência com o Governador do Maranhão Flavio Dino para ouvir e contribuir com o setor, é agora formalizamos junto ao SIFEMA que não aceitaremos o congelamento salarial 2015 é muito menos a criação da escala de trabalho de 06 horas, não podemos aceitar essas medidas apresentadas pelo Sindicato Patronal estamos confiantes que na próxima semana fecharemos o termo aditivo 2015 sem a criação da quinta turma e com reajuste salarial disse Jarlis Adelino presidente do STIMA.      
Fonte: Secretaria Geral do STIMA    

Nenhum comentário:

Postar um comentário