.

.

quinta-feira, 15 de junho de 2017

Datena critica Crivella e defende o carnaval do Rio: 'Agindo como um bispo'

O apresentador criticou a gestão do atual prefeito do Rio de Janeiro pela decisão em suspender os desfiles de escolas de samba no carnaval da cidade em 2018


Datena criticou Marcelo Crivella pela decisão de não realizar os tradicionais desfiles de escola de samba no Carnaval do Rio de Janeiro em 2018. Foto: Band/Divulgação.
Datena criticou Marcelo Crivella pela decisão de não realizar os tradicionais desfiles de escola de samba no Carnaval do Rio de Janeiro em 2018. Foto: Band/Divulgação.

O apresentador José Luiz Datena fez críticas ao atual prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB), durante a transmissão do Brasil Urgente, nesta quinta-feira (15). O motivo da alfinetada foi a recente decisão da atual gestão da cidade em não realizar o tradicional desfile das escolas de samba no carnaval do ano que vem.

Durante seu comentário, Datena revelou estar "muito decepcionado" com o prefeito, e que Crivella estaria agindo como pastor, não como prefeito. "Não pode, por exemplo, o Crivella deixar de ir no carnaval, um dos maiores acontecimentos da cidade. Não é porque só traz gente de fora, recursos, é porque faz parte da história do Rio", disse o apresentador. "Eu tenho muito respeito pela Igreja Universal, já que trabalhei por bastante tempo na Record. Agora, o cara não pode ser prefeito sendo bispo", prosseguiu.

A suspensão dos desfiles foi anunciada por uma nota oficial da Liga Independente das Escolas de Samba. A polêmica decisão faz parte do corte de 50% nos recursos de subvenção, medida anunciada na última segunda pelo prefeito. Uma quantia de 50 milhões de reais, que seria destinada à organização do carnaval, agora seria transferida para creches do município.

Segundo Datena, a medida foi desnecessária. "E ele não pode tirar essa verba, mesmo porque não serão os R$ 50 milhões que vão tirar o Rio da situação difícil que está. Era só parar de roubar um pouquinho que sobraria dinheiro para outros setores", concluiu.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário